DIÁRIO: Para um momento de mer#$*

Pode aparentar ser besteira, mas um momento de merda não necessariamente seja um momento de merda. Ele é um momento, não nego, mas estou tentando lidar com ele e espremer toda a informação vindo na minha cabeça pra eu mesma entender e aprender com isso.

94431600_538535003754342_8637373154324381696_n

A mente é minha pior prisão e minha liberdade. É minha doença e minha cura. Um veneno que se for alimentado de pouco em pouco é silenciosamente mortal, mesmo me matando, me mantenho viva. Mantenho. Nem deixo, nem mudo. Mudança, movimento. Me mexo, existo. Mesmo parada, eu movimento. A dor das palavras pode ter uma beleza extraordinária, pode ser chata também. É confuso que chega ser injusto. É tão simples que chega ser ignorante. É gratificante cair em si, é doloroso cair em si. Dói cair, mas dói levantar. Me justifico demais e faço de menos, mas sigo grata. Eu sigo. Por isso me agradeço. Me agradeço a cada dia na madrugada calada de desespero por não ter desistido de mim e desistir não é simplesmente tirar a vida do corpo físico, mas pode ser uma pequena dose de qualquer coisa que já mata por si só e continua te mantendo vivo.  E o que te mantém? Mestres, professores, guias, deuses, Deus ou o quê/quem quer que seja nomeado ao símbolo da sua cura pode/podem te ajudar e muito, mas é a sua decisão a tomar. Sempre vai ter aquela ajuda e que você vai se perguntar como pode ser tudo tão perfeito, mesmo na dúvida.

É a beleza da dor. É a cura! Você pode abraçar ela, mas não por muito tempo, e se for por muito tempo, você escreve um texto como eu estou fazendo agora e que por vias óbvias você está lendo e se perguntando “que louca que vê beleza na dor”. 

Pra início de conversa, as escolhas doem. Se você se deu tempo em ler o que estou te escrevendo, é porque você quer descobrir alguma coisa, seja apreciar minhas palavras e questionamentos, seja se inspirar ou só achar um erro gramatical mesmo. São escolhas que fazem você lembrar o quão frágil parecia ser naquele momento de dificuldade e são elas que mostram esse poder de persuadir. O ato de acreditar.

No meu momento são palavras, mas palavras tímidas vindo de alguém que estou procurando dentro de mim, que apenas eu posso escutar e sentir. Não é um momento pra bater papo, jogar conversa fora. Não pra mim. Poderia ser bom, não sei, nem ninguém saberá, mas meu momento é me escutar, me compartilhar em pedaços meus, com os meus, vindo dos meus, pros meus, me montando, construindo, remodelando, encaixando de e em peças, para ser inteira. Um dia. Talvez agora. Um pouco a cada vez.

Estar com vontade de nada nesse momento não significa desistir, estar triste não significa desistir, estar cansado muito menos. Afinal, que diabo de significância tem tudo isso? 

Por favor, se você está precisando de ajuda não hesite em pedir ajuda, todos estamos aqui para evoluir e acredito tanto na evolução que não tenho o direito em negar um copo com água. Somos feitos para ajudar na evolução. Procure ajuda de profissionais caso você esteja precisando de tratamento. E você sabe se está! Não hesite! Não negue o copo com água se você tem sede.

Mesmo quando eu desisto, eu não desisto. É um dia de cada vez. Processos, processar, proceder, prosseguir. Desanimar, animar, desfazer, fazer, desalinhar, alinhar. Desistir, insistir. Inspirar, expirar e espirrar. 

Espirrar é um verbo. Transitivo direto e intransitivo. Por exemplo: fazer esguichar, ou esguichar, com força. Dando um exemplo, “a ferida espirrou sangue”. 

Espirrar dores, raivas, rancores, desânimos e nada ou inclusive tudo o mais que estiver tirando a vontade, mesmo que ela esteja (a)prendida. E soltar, liberar, libertar algo que está (a)prendido pode demorar, passar por um processo de devaneio, desequilibrar, talvez nausear, mas nunca retroceder. Ah! Lembrando que os espirros até podem ser prendidos por um tempo, mas sempre retornam porque o corpo quer e precisa eliminar alguma impureza. Ele avisa. Não vá contra sua natureza, mesmo que seu espirro seja barulhento, engraçado, tímido ou seja lá o que, não me importa muito o que for ele faz parte do seu processo, repetindo: ele avisa, e vale de você botar pra fora, acumular ou prender. Além do mais prender espirros pode ser fatais e nunca poderão ser realizados de olhos abertos. Depende apenas e exclusivamente de você seguir as contraindicações de higiene e saúde protegendo os outros ao seu redor de seu próprio vírus. E é de você mesmo que me refiro quando me refiro aos outros. E/ou eu mesma.

94570949_221478885822299_5402983697756454912_n

Falando de mim, num sentindo e exemplo insignificante, acho e acredito ser incrível não necessariamente sendo positivo e nem nessa ordem, que meus pés sempre estão gelados e mesmo tentando me aquecer ao Sol, eles se mantêm gelados. É da minha natureza ou falta de alguma vitamina, talvez exercício físico, mas não é culpa do Sol, não é minha culpa se é da minha natureza, não é culpa de ninguém na real, só somos opostos. Gelado e quente, talvez eu mais preguiçosa que o Sol, talvez com certeza, mas somos estrelas iguais. 

Eu sou humana, mas sou uma estrela, como você também é. Fazemos parte de uma galáxia, oras! Cada um brilha com a luz que pode oferecer no momento. Eufemismos à parte, a luz pode ser momentânea sim, ela pode brilhar incomum em um dia e no outro ela pode diminuir sua frequência, mas não significa que desapareceu. Ela pode explodir e formar outras estrelas, óbvio que se explodirmos a cena não seria tão devastadoramente bonita, seria até diria que feia, porém há beleza em tudo.

Aliás o que é a beleza? Mas voltando, todos tomamos tempo, do seu próprio tempo, do tempo dos outros. E é preciso porque somos feitos de tempo, a diferença é que ele é relativo pra todo mundo, mesmo todo mundo tendo a mesma paleta de cores na hora de escolher pintar uma parede, nos mesmos segundos às mesmas questões terão diferentes pontos de vistas. A minha parede pode ser totalmente branca, mas há um porquê de eu ter escolhido essa cor, fique a vontade para tirar suas conclusões.

O que pra mim pode ser luz pra você pode ser escuridão e ambos são policromia. São estados, são buscas, são, novamente: relativos. E são egoístas também. Somos egoístas. Se estamos felizes queremos a felicidade pra todos, tirando o direito de alguém querer estar triste. Se estamos tristes queremos que todos entendam o que no fundo como aquela explosão glacial anteriormente citada pode acontecer, e acontece a todo tempo. Somos estrelas como o Sol, podemos aquecer e iluminar o momento de alguém, se esse alguém for e geralmente é do seu próprio sujeito, de si. De você mesmo, porra!

94832482_222963055659568_141176648761344000_n

Se realmente quisermos e mesmo aparentando não precisarmos, todos nós um dia já nos escondemos do Sol, da luz dele, mas sempre retornamos a procurá-lo e ele sempre se mantém estado lá, uns dias com muitas nuvens cobrindo sua luz, outros com sua agradabilidade e nos proporcionando o que quase 90% da população mundial não têm em bom estado, a vitamina D e em outros, ele queima e pode queimar muito. 

Depois de toda essa metáfora que tomou seu tempo e o meu, pro meu lado foi divinamente aliviante, me diz, sem obrigação alguma se há alguma diferença entre essas estrelas mencionadas, e dessa vez, não estou me referindo ao Sol. 

Continue, mesmo se achar que está tudo perdido, não está. Você não é seu momento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s